Publicado por: cjabruno | outubro 3, 2011

Tem hora pra acabar?

Sabemos quando chega ao fim?

Quando é a hora de terminar alguma coisa? Será que existe esse timing, algo que dê uma dica: Olha chegou ao fim agora, cai fora!!

Será o fim do sentimento, o fim da vontade ou quando paramos de nos importar,de nos esforçar, ou quando algo pára de fazer bem, é o final?

Quando é a hora de sair daquele emprego, ou de dar um fim naquele relacionamento, mudar de casa, de cidade?

Eu aprendi com o tempo que não existe tempo certo pra começar algo… É bem nosso e um tanto preguiçoso esse negocio de tentar escolher um momento para tudo. Então ficamos presos esperando: O dinheiro, a idade, a oportunidade, a resposta, a tal hora certa, o outro…

Mas no fim nada disso é mais certo do que: Eu vou fazer e pronto! Se você quer sair levanta do sofá e vai, se você quer outro emprego se joga e manda CV, se você quer viajar então compra a passagem, se quer ganhar na loteria tem que apostar e assim vai… Não tem muito o que esperar, mas e pra terminar tem?

Tem hora certa pra sair de uma situação? Sair a francesa é uma opção?

Eu ando num exercício de espera, o que para um ansioso como eu é realmente frustrante: Estou esperando uma resposta, esperando o tempo, tenho esperado até pra ligar para aquela pessoa querida. Mas é claro que não estou em casa olhando ao redor esperando, é apenas o quadro geral e acredito que há um ponto importante em aprender a esperar, afinal nada é por acaso.

Mas, nessa espera me vi e também vi nos outros situações na qual perguntei: É preciso ter paciência ou força para sair dessa?

Tem aquela máxima: Dai-me paciência porque se me der força… Meu amigo!

Mas, será que não é esse o caso? Será que preciso esperar a hora certa para sair do meu emprego ou tenho que sair mesmo e lidar com as consequências porque o fim já chegou e daqui pra frente não vai ser melhor?

Será que aquela amiga que está naquele relacionamento que a não a faz feliz,  não devia obviamente terminar  ou deve esperar o carinho e a raiva se resolverem para que tudo termine ou se acerte de vez ?

É, o fim e começo estão intimamente ligados, mas não são fáceis. Talvez a resposta seja mesmo esta análise, a compreensão de que se algo não esta bom e não tem perspectiva de melhorar então deve acabar antes que piore, mas é fato que nem tudo acontece na hora que achamos que deve acontecer.

Então nos resta unir a paciência com a força, dosar e ser firme, abrir aquele sorriso e aproveitar o que dá, porque uma hora acaba e então começa e para ambos: Força!

Anúncios
Publicado por: cjabruno | setembro 13, 2011

Manda mais uma!

 Dois anos atras eu escrevi um post chamado No Divã e foi engraçado e necessário reler esse post antes de escrever esse que é a volta ao divã.

Dois anos atras eu nunca tinha feito terapia e simulava como seria receber alta… Pois então dois anos se passaram, eu fiz terapia e realmente recebi alta!

E em parte lembrou um pouco essa cena que eu descrevi na época, mas eu apesar de feliz e surpreso com a notícia, entendi muito bem que o louco estava realmente livre pra ser louco do jeito que é.

Depois do TILT que eu contei no post passado, fui lá ver o que sou eu (?) e o que é terapia e enfim foi muito bom colocar os óculos 3D e aprender a ver outras perspectivas da vida.

Claro que os problemas não acabaram, afinal estou vivo, mas o que são problemas? Quão problema é o seu problema?

Os meus talvez em muito são parecidos com os seus ou talvez não, o que importa é que eu olhei eles de frente, me apropriei deles, usei o que era necessário e o que não era joguei fora.

Pedi pra sair do emprego sem ter outro em vista, resolvi ver como é viver aquele sonho que estava guardado, resolvi parar de pensar tanto no mundo ao redor, resolvi resolver.

Ser feliz ou triste? Seja os dois, seja tudo, mas se for pra contagiar que seja de alegria. E sim podemos escolher.

É claro que os planos podem dar errado, a viagem pode não ser metade do que eu quero que seja, posso sentir falta do meu trabalho, pode ser que o romance enrolado se prove enrolado mesmo e machuque e acabe… Mas também pode ser tudo muito melhor do que eu imaginei, então não tem muito o que pensar e pensar.

Vai lá viver, vai lá tentar, vai lá ver no que dá, porque ainda é cedo pra findar, pra conformar, pra parar. Caiu, levantou. Terminou, começou.

Então me livrei de toda bagagem e peso extra e tô livre: Pra me apaixonar, me encantar, aprender, rir (de mim mesmo até), trabalhar, começar, recomeçar, chorar, beber, viajar…

Pílula vermelha ou azul? Manda ai as duas!

Publicado por: cjabruno | junho 20, 2011

TILT

Tilt!

To ensaiando de escrever no blog há um tempão… Não me faltava assunto, mas acabei desviando um pouco para escrever no site MdiAtiva Santos no qual fui convidado e enfim, acabei deixando o blog um pouco de lado mas voltei! ( E dps postarei alguns dos txts de lá por aqui…)

No último mês aconteceu tanta coisa na minha vida e tanta gente me disse para escrever um livro que eu resolvi voltar para minha melhor terapia o BLOG. E talvez não vire um livro, mas um post já é alguma coisa.

TILT é uma palavrinha certinha, fofinha, gostosa de dizer que usamos para explicar facilmente quando algo quebra, especialmente eletrônico… Pois é mas e você ai, já deu um tilt? Eu to no meio do meu TILT, já fui pra assistência técnica e agora estou em fase de teste!

Vou situar explicando melhor…

Eu comecei a dar TILT quando percebi que apesar de estar tudo bem no trabalho, na vida em si eu estou vivendo algo que eu não quero… Trabalho, casa, carreira, balada, academia, algumas histórias de amor nos melhores dias e enfim é isso… Dai eu um  tive TILT e pensei: Tá eu sei que é basicamente isso a vida, mas e se eu não quero nada disso e nem sei o que eu quero, como faz?

Bom dai começou o fatídico mês em q tudo realmente caiu e pelas leis da física eu te falo: Desgraça atrai desgraça. Então segue minha sequência.

A obra ao lado do meu trabalho afetou a estrutura da casa e em 30 segundos as paredes caíram… 1 ano de trabalho foi pro chão em 30 segundos e encaixotado e mudado em 8 horas.

Estamos agora há duas semanas de abrir e recomeçar, mas desde do dia 20 de maio estou sem trabalhar, e por alguns dias nem sabia ao certo o que seria realmente e percebi q eu nem queria procurar um novo emprego!

Na parte dois da tragédia grega eu sem trabalhar, cometi o erro clássico de me envolver com alguém. Por erro clássico eu quero dizer: Não comece um relacionamento qdo sua vida esta de cabeça pra baixo porque obviamente vai depositar muita esperança nisso!

Dito e feito. O relacionamento já tinha prazo de validade uma vez que o cara é um europeu mochileiro de passagem pelo Brasil… Logo eu sabia q ia acabar e me preparei para apenas aproveitar e passar o tempo… Mas o tempo foi passando e eu me apegando e o cara tb, mas dai ele teve um TILT mudou da agua pro vinho sem explicação e seguiu seu caminho me deixando um buraco, porque na última semana nem nos beijamos e não, não teve explicação para tal então toda minha preparação foi por agua abaixo, porque eu sonhava com aquela cena de Hollywood com beijo final poucas promessas e muitos sonhos e não aconteceu nada além de um abraço frio e de perguntas sem respostas.

A cama ficou enorme e o vazio nem falo…

Para completar eu e meu roommate tivemos um pequeno desentendimento, mas ficou meio claro q não tem como continuar morando juntos então a casa caiu em casa TB, hora de procurar outro lugar pra morar.

Entenderam o TILT? Pois é em 30 dias me vi sem trabalhar, com um relacionamento sem conclusão alguma e pesando num lugar pra morar.

Estou recolhendo os cacos do chão e começando de novo e é claro q no meio de toda confusão, apesar da sensação de não vou aguentar tb veio a chance de refletir e encontrar ou redescobrir o que eu realmente quero… E apesar de eventuais dores, noites de insônia, “cortes e cicatrizes”, eu estou bem.

Tenho algumas ideias q prefiro compartilhar mais pra frente, um dia de cada vez.

A sala esta cheia ele levanta vai até o palco segura no microfone olha rapidamente todos a sua volta, respira fundo e fala:

– Oi, meu nome é Bruno e hoje, só hoje, eu não senti pena de mim!

E vc?

Publicado por: cjabruno | março 1, 2011

O Fora Virtual #ClubeSolteirosTerminais


Hoje em dia quem não levou ainda, ou tá mentindo ou vai levar…

Eu já levei e nem faço rodeios para contar, até porque o blog está aqui pra isso. Normalmente eu provoco, prefiro resolver logo a questão pelo MSN do que ter um encontro frustrante para resumir em: Não dá, você é legal, mas queremos coisas diferentes… Ou qualquer coisa assim.

Recentemente lendo o caderno Equilíbrio da Folha de SP eu vi a matéria: Por Dentro do Fora e me deparei com histórias tão escabrosas que fazem o Cyber fora quase parecer fofo!!

Acontece que estamos nos tornando seres cada vez mais covardes emocionalmente e com a ajuda da internet achamos a ferramenta certa para evitar confronto com o próximo.

 

Eu mesmo lembro como era difícil terminar algo, mas acabei aprendendo uma vez que eu não queria ser rude e enfim ser vítima do meu próprio carma… Mas hoje em dia é assim então prepare-se

A matéria apresenta histórias fantásticas de foras que vieram escorados em doenças letais, troca de opção sexual, ou mesmo por SMS, sumiço e afins.

O mais clássico é você encontrar a pessoa alguns meses depois, praticamente casado com outra (o). Nem perca tempo se abalando ou mesmo fazendo flashback porque no final todas as desculpas se resumem a: Não quero ficar com você!

Mas o medo, a boçalidade, a infantilidade ou o temor de ser vilão nos transforma em seres piores quer terminam relações de forma superficial sem ao menos dar ao outro o direito de saber.

Dessa forma crescemos ou, melhor dizendo, envelhecemos ainda mais traumatizados e estigmatizados. A nova geração morre de medo de ficar ou estar só… Quantas pessoas você vê no cinema sozinha, ou num show ou mesmo num bar ou balada? E você, iria  qualquer desses lugares só?

Se a resposta for não, fica tranquilo, você é normal se consideramos a maioria como tal.

Se sua resposta foi sim… Opa legal, quem sabe não nos esbarramos dia desses e vivemos uma daquelas histórias de Hollywood!

Bom, não quero parecer amargo ou mesmo levantar bandeira… Não acho que tem certo ou errado aqui, afinal o mal do século chama-se relacionamento e não aquecimento global.

Mas enfim talvez precisamos aprender a cuidar bem de nós mesmos e dessa forma conseguiremos cuidar bem do próximo.

Então não tenha medo… Compre aquele ingresso, entre naquele restaurante, compre aquele roupa… Pra quem? Pra você mesmo!

Cuide bem de você (Prenez Soin de Vous). E depois? Quem sabe!

 

Publicado por: cjabruno | janeiro 4, 2011

Tudo que eu quero de natal…

                                                                          

O natal já passou… 2011 já chegou, mas e você já acordou?

Bom, eu não!

Não sei se foi a viagem do final do ano, se é a preguiça mesmo ou se tudo junto misturado, mas eu ainda estou fora do ar. Embebido em reflexões que são clichês, mas recorrentes no final do ano e também atordoado com aquele sentimento meio solitário, apesar da multidão, que o final do ano traz, talvez fruto de filmes românticos e músicas dramáticas enfim…

O ano foi bom, não posso reclamar, afinal comecei tomando um intervalo sabático que foi interrompido de forma pensada e desejada. Agora estou trabalhando, morando em SP e começando toda uma nova etapa que em 2011 vai me permitir concluir se eu quero isso ou se eu quero a mochila nas costas.

Acho que esse ano foi importante não apenas pelas escolhas, mas pelo aprendizado nem sempre fácil numa área que eu claramente tenho meus problemas: Relacionamento.

Abrange tudo, o relacionamento comigo mesmo, que eu aprendi e reaprendi muito, mas também o relacionamento com o mundo.

Não eu não namorei ninguém, isso ainda não mudou, mas mudou bastante a forma de encarar isso. E através da minha relação com minha família e amigos eu fui capaz de identificar certos aspectos que me mostraram que estar solteiro talvez ou muito provavelmente tenha sido uma escolha permanente minha, apesar de eu sonhar tanto em namorar.

É estranho perceber que você se poda de algo que quer por não se sentir preparado dessa forma eu acabo depositando no outro qualquer responsabilidade ou sei-lá culpa de não funcionar ou de não acontecer…

Claro que a culpa não é só minha o mundo ai fora não é cheio de bons partidos e nem todo mundo que a gente quer vai nos querer, mas enfim será que estamos realmente prontos para receber o que queremos?

 Não sei se estou pronto, mas to ai aprendendo, vivendo, investindo, tentando, me surpreendendo, talvez eu perceba se estou ou não pronto, talvez apenas aconteça assim sem esperar, não sei…

O que eu sei é que tudo que eu quero de natal e ano novo é que meus olhos estejam abertos, que não me falte paixão, nem brilho no olhar, que sobrem risadas e momentos de perder o fôlego, saúde, trabalho e viagem… Sozinho ou acompanhado.

Porque só está sozinho aquele quem se sente assim e enfim auto-ajuda a parte nada como um dia após o outro.  Tudo é aprendizado, todos são mestres e o amor sempre pode acontecer.

Publicado por: cjabruno | novembro 16, 2010

Aluga-se

Agora sou quase um cidadão oficial de São Paulo, esperando a chave, do primeiro apartamento, escolhido por mim, ser liberada pela imobiliária e então começarei a montar e decorar se é que meu orçamento permite, mas enfim o que importa é  se sentir em casa e desde que eu vi o apartamento em questão eu senti um pouco disso…

Alugar apartamento em São Paulo é uma tarefa um tanto quanto difícil e exaustiva, são muitos anúncios que não condizem com a verdade e muita gente procurando, fora isso os preços mostram porque a cidade é uma das mais caras do mundo.

Não foi fácil chegar nesse AP e sei que o que vem pela frente não vai ser fácil também, mas certamente será um tanto prazeroso.

Senti certo frio na barriga na hora de assumir tanta conta fixa que vem anexada ao apartamento, mas enfim crescer é assim não é?

Alugar um apartamento é como um relacionamento, tem seus prós e contras, demanda muito de você, no começo tem muita empolgação, muitas vezes enche o saco e depois de um tempo cai na rotina e vai ficar bom se o apartamento realmente for um lar…

Quando uma simples casa ou AP vira um lar?

Não, não acredito que depende de um amor ou algo assim, acho que a casa é um lar quando você volta pra ela e se sente em paz, quando sabe o que vai encontrar por lá, quando associa com descanso, com hora boa…

Um bom namoro deve ser assim também e deve ser por isso que é tão difícil de encontrar quanto um apartamento na maior cidade do país.

Mas, da mesma forma que o apartamento, não pode desistir, não pode se deixar levar pela burocracia, ou pelas falsas expectativas, pelo alto custo, pela manutenção ou pelos anexos atrelados.  Afinal, tanto um quanto outro quando dão certo ou são certos trazem muito conforto e bons momentos.

De qualquer forma tanto anuncio de apartamento e tanta procura me fez pensar no que eu procuro tanto na pessoa para ser meu companheiro… No apartamento eu pedi dois quartos, uma cozinha bonitinha, boa iluminação e um banheiro bem cuidado. Mas, enfim num companheiro será que eu exijo tanto? Acho que seria mais ou menos assim:

Procura-se namorado:

Da mesma altura ou mais alto, inteligente e bem humorado. É bom gostar de musica pop e de viajar. Pode ser loiro ou moreno, tanto faz contanto que tenha belas mãos e sorria. Tem que ser companheiro, em todas as horas, interessado e beijar bem. Pode ter barriguinha não me importo nem um pouco. Precisa existir! Não ter medo e ter fé mesmo que do seu jeito. Precisa gostar de mim e pronto.

Será impossível? Existe isso por ai?

Não sei… Diferente do apartamento que eu precisava ir atrás, na vida amorosa às vezes eu vou, às vezes eu fico, mas nunca desisto, essa aliás é uma das qualidades do meu anúncio pessoal caso você queira saber!

E o seu?

Publicado por: cjabruno | setembro 30, 2010

#clubesolteirosterminais em: O amor banda larga

 Diga ao povo que fico! Foi essa q frase que veio a minha cabeça quando eu decidi interromper o ano de viagens e voltar a morar em São Paulo. Cancelei a última viagem que começaria dia 9 de outubro e que levaria 6 meses e resolvi ficar!

Ficar assusta sim afinal foi o motivo que me levou a querer ir embora! Fora o fato que eu amo viajar, mas muita coisa aconteceu e ficar foi o que quis experimentar.

Ficar, aliás, é o termo usado para definir aquele que beijamos sem muito compromisso, às vezes sem nem ao menos saber o nome e eis que o #clubesolteirosterminais vem debater mais um assunto: O amor e a internet.

Após discutir algumas vezes lugares ideais para conhecer um amor eu resolvi tentar (pela segunda vez!) sites que prometem achar sua alma gêmea! Decidi por um site mais focado dessa vez, o Par Perfeito.

Eis que no começo como sempre é divertido, e pelas questões do extenso formulário você começa a pensar que realmente você pode tropeçar no seu par perfeito… Mas nem tudo é mar de rosas, ainda mais se você não é assinante gold ultra premium!

Eu resolvi não assinar porque era um Trial e mais uma vez afirmo que prefiro a moda tradicional ou hollywoodiana de encontros, enfim… Os emails que eu queria ler estavam bloqueados me forçando a fazer a assinatura e eu quase fiz, mas resisti!

O site é legal e mais focado no amor mesmo e não no sexo, mas ao contrario do que se pensa não é fácil. Muito perfil estranho, muita gente muito mais velha e sem noção e no mundo virtual tudo acaba indo muito pela aparência e isso acaba sendo o oposto do romântico não é?

Acabei parando de acessar por falta de tempo e para resistir a assinatura, mas deve ser interessante ser cliente gold master super, enfim se alguém se habilitou a pagar conta a história.

O que aconteceu no meio disso é que eu conheci gente interessante através do já conhecido Orkut! Pois é, assim sem mais quando vi estava teclando absurdamente e viajando num amorzinho virtual que mora looonge e por isso não foi concretizado, afinal sou membro do clube né?

Enfim, continuo solteiro, mas a experiência desse site foi interessante. Lembrei os primórdios, de como conheci meu “primeiro amor”…

Constatei que eu estou mesmo bem assim solteiro e consegui me divertir com a experiência que me levou a histórias inusitadas, pessoas interessantes e trouxe de volta aquela vontade de estar junto, mas de forma tranqüila e saudável e não neurótica hehe.

Mas de qualquer forma minha paciência pro virtual é curta. Já é tudo tão corrido e impessoal hoje em dia que tudo que eu quero é sentir e ter proximidade. E não tem jeito o assunto no MSN acaba haha!

E vc já tentou se aventurar no amor virtual?

Publicado por: cjabruno | agosto 31, 2010

#clubesolteirosterminais – “Procurando amor”

Faz tempo que a programação solteira anda sumida do blog então aproveitei à pausa involuntária causada por uma extração do dente siso para voltar com o nosso conhecido Clube dos Solteiros Terminais que agora vai deixar os volumes de lado afinal ia acabar ficando sem fim e vai adotar uma moderna hashtag #clubesolteirosterminais

Assim como faz algum tempo revisamos brevemente que solteiros terminais são aqueles que tem a impressão que tiveram um diagnostico médico assim: Você é solteiro terminal, sem cura!

Por sua vez você aceita e segue a vida achando que pode haver cura, mas tem dias que todos os placebos (filmes, CDs, amigos, bebida, balada, trabalho…) não funcionam e você sofre, pragueja casais felizes e enfim se recupera e segue a vida.

O bom solteiro terminal é um sozinho feliz, mas tem seus dias “down” e segue a procura, porque otimismo é a chave.

Ufa, confesso que durante esses 8 meses de 2010 foi raro eu pensar que tava sozinho, sofrer por não namorar, ou qualquer coisa assim… Tive que me preocupar comigo mesmo por um tempo e depois com a vida que estava à frente e algumas histórias me fizeram respirar e renovaram as expectativas, mesmo não dando em nada (acho que o médico que me diagnosticou fez macumba tb!!!).

Mas resolvi reabrir o Clube para resgatar o tema que nunca morre e reunir de novo os membros e confesso que o efeito extração do siso, descanso em casa e muitos remédios me deixaram levemente carente, então reuni tudo para retomar o clube que vai estar mais ativo daqui pra frente.

A idéia é contar historias de baladas e bares e tentativas de paqueras e trocar idéias… Afinal será que somos nós que fazemos tudo errado ou é o próximo? Pior será que o médico tá certo mesmo?!

Mas volto à questão que já ilustrou algum post aqui: Qual o lugar bom para conhecer pessoas?

Eu não sou maior fã de internet, mas tenho história, depois farei um post só sobre isso. Balada acho que dá muita gente louca com problema querendo pegação, entre muitos sobra meio que quer conversar, ainda voto em bares e lugares ordinários como supermercado, locadora, livraria hahaha, mas é um sonho hollywoodiano pq eu nunca fico olhando pra ninguém nesses lugares mas sempre acho q alguém pode vir falar comigo. Alguma dica?

Vou me jogar em campo pra contar pra vocês e dividir histórias e reunir alguns artigos legais pra gente. Lembrando sempre que a Jennifer Aniston (nossa embaixadora) está sozinha tb, e o caso dela é público ou seja estamos bem ainda!!

E eu confesso dias ruins a parte, ficar sozinho é bom e vicia. Eu sou “superafimdemim”, mas sou romântico incontestável e carente em dias de chuva e entro na fila: Procura-se alguém!

No próximo post: Se você fosse fazer um anuncio como seria?? Até!

Publicado por: cjabruno | agosto 2, 2010

A Espera…

 A ironia da vida é nos fazer esperar e esperar e viver acaba sendo um exercício de paciência. Para um ansioso convicto e incurável como eu, pode ser desgastante e esperar acaba sendo um dos meus maiores sofrimentos.

Esperar, esperar e esperar…

Esperar aquela chance, esperar o dia certo, esperar aquela viagem, esperar o feriado, esperar as férias, esperar aquela ligação de volta, esperar o email, esperar a SMS após primeiro encontro, esperar, esperar…

Quando eu planejei meu ano de 2010 eu não calculei o tempo de espera de nada, aliás nunca incluo isso nos meus planos e então eu me vi mais uma vez na sala de espera quando recebi a notícia de que minha seqüência de viagem ia ter um intervalo de 4 meses.

QUATRO MESES!

Quando seu plano é viajar 12 meses um intervalo assim te faz pensar de forma prática: FUDEU!

 É uma amostra do pouco controle que podemos ter sobre tudo isso e que erroneamente tentamos ter o que acaba apenas em frustração. Ano passado esperar do tempo e das pessoas me frustrou a ponto de me deprimir, mas enfim este ano aprendi e fui por outro caminho.

Não é novidade nenhuma que esperar torna-se maçante quando você encara a espera, mas quando você para de esperar e vive tudo passa e acaba acontecendo e quando você menos percebe eis que sua senha está brilhando no painel eletrônico.

Agora meus quatro meses são dois e tanta coisa já aconteceu… Fato: Continuo na fila do amor e de tantas outras coisas… Ainda durmo me balançando e tenho dias mais ou menos porque a ansiedade me vence e eu presto atenção no tempo, mas é um exercício diário: Viver.

E nem sei o que será daqui mais dois meses, se ainda viajarei, se estarei aproveitando as oportunidades que apareceram hoje ou com quem estarei, mas não vou estar parado, não vou deixar minha vida esperar, vou lá gerar movimento, e você?

Enquete qual a pior espera pra você? 

a)      SMS pós primeiro encontro

b)      Aquele email importante

c)       Aquela resposta de emprego

d)      A do amor eterno amor

e)      A do próximo feriado

Publicado por: cjabruno | junho 22, 2010

Comi, Rezei e?

Lembro quando eu comecei o blog, eu estava no meio de uma depressão, e resolvi me agarrar a minha paixão por escrever para ver se eu encontrava de novo minha paixão pela vida.

Bom me ajudou muito, no processo do blog eu pude dividir dores e angústias e encontrei um monte de gente cheia de opinião, alguns até viraram amigos.

Eu passei pela depressão num processo que durou pouco mais de 6 meses, eu não tomei remédios e nem fiz intensivo de terapia, mas realmente não foi fácil.

Em determinado momento eu percebi que teria que largar a minha vida para recuperar a minha vida e por mais complicado e inviável que pareça foi o que eu fiz. Para ter a coragem de fazer isso eu tive que tomar muitas pancadas, mas foi incrível perceber que uma vez que eu fiz isso tudo pareceu de certa forma se encaixar.

Eu entrei numa viagem de redescoberta. Redescoberta dos prazeres, das vontades, dos sonhos, da vida, de Deus e por fim de mim.

Eu larguei casa, trabalho e fiz as malas pra lugar nenhum. Deixei o que podia na casa da mãe e levei o que eu gostava pra uma jornada sem destino que acabou tendo destino bem definido: Bahia –Suíça (primeira etapa).

E lá eu reaprendi muitas coisas… A conviver em família e amar isso, a me sentir útil e parte de alguma coisa e gostar disso,  acordar todo dia disposto a fazer tudo, com vontade de ajudar, redescobri amigos e o prazer de sentar  e bater papo e de ouvir os outros, o prazer do silencio, da solidão, da minha companhia, o prazer de cozinhar e de comer, de viajar, de conversar e de conversar com Deus e ouvi-lo.

Também aprendi de novo a me apaixonar, pela vida, por sonhos, por mim e pelo outro. Eu redescobri as borboletas, o frio na barriga, o sorriso bobo e foi muito bom. Foi descompromissado, relaxado, foi tranqüilo, foi vento leve.

No processo eu li muitos livros, livros bobos, sérios, de frio na barriga e de reflexão e apesar de ter evitado por muito tempo o livro Comer Rezar e Amar por sentir aquela vibração auto-ajuda, eu não resisti e li. Em menos de duas semanas acabei, e não tenho pretensão de indicar pra ninguém, mas foi ótimo pra mim. Falou diretamente e mais uma vez me mostrou que não estamos sós nem nas mais loucas situações e, além disso, me fez olhar ainda mais pra mim e para o meu redor, reconhecendo, identificando e solucionando meus problemas e me aprofundando na busca de uma vida de prazer sem sensação nenhuma de auto-ajuda.

Ser feliz não é fácil é exercício diário e nem todo dia temos um saldo positivo, mas posso ser feliz todo dia, mesmo que não o dia todo. As paixões acabaram e a primeira parte da minha jornada também. Agora estou na segunda que engloba um tempo no Brasil e daqui alguns meses EUA.

Essa semana percebi que tenho um certo problema de intimidade, apesar de ter certeza que eu quero namorar.

Não sei passar do estado da paixão, não consigo ainda me entregar ao próximo, amar sem limites como tanta gente faz por ai ou até mesmo já se dispôs a fazer por mim. Fiquei triste por um momento quando vi que fugi de todo mundo que tentou se aproximar e que não fiquei triste por isso. Era o mais certo a fazer no momento.

Estou sozinho, mas sem me sentir só. Estou bem e pronto para o que der e vier. Talvez seja apenas uma questão de pessoa certa, talvez seja uma questão de constatar que essa pessoa não existe, não sei, mas continuo… Continuo uma jornada, uma busca por tudo que me faça bem e talvez o amor, aquele romântico, faça parte dela também.

« Newer Posts - Older Posts »

Categorias